Patrocínio

EUA - Ténis Universitário

    Tennis player Rocha impressing in first collegiate season

 
With the dream of pursuing collegiate tennis, freshman Diogo Rocha made the move from Lisbon, Portugal to Denver.
One of the nine players on Denver’s men’s tennis team, Rocha’s first season with the Pioneers has been one for the books. In the Summit League Championships on April 27, DU took home the first place title and Rocha was the first to gain a singles win, 6-0, in this tournament. This year, Rocha’s individual singles record was 18-6 and for individual doubles, Rocha’s record was 16-7.

“We just won our conference tournament last weekend and with that we have qualified for the NCAA Tournament. We are hoping to have some very good weeks of practice to be ready to go and play our best tennis of the year at the NCAA tournament,” said Rocha.

Taught by his father in Portugal, Rocha began playing tennis at the age of six and has no plans of stopping anytime soon. With his career at Denver underway and off to a strong start, Rocha has big plans for the future.
“My biggest dream is to become a professional tennis player and I think DU is giving me the best preparation for that,” Said Rocha. “With the team, we work very hard every day and that’s the kind of practice you need if you want to become a professional.”

Starting his career last fall at DU, the transition from Rocha’s native Portugal to Denver was challenging, but has proved to be successful.

“It wasn’t easy in the beginning,” said Rocha. “Portugal and the United States are two very different countries. First, I had the language adaptation, which wasn’t easy in the beginning. Also, being away from my family and friends for a long period of time required an adjustment. Besides that, it has been a great experience and I am really enjoying my time in Denver.”

While in high school, Rocha played for a local club team in Lisbon, as his school, Escola Secundaria de Miraflores, did not have any sports teams. While growing up, Rocha did not think that he would be able to continue playing tennis into college, but when Denver offered him the opportunity, Rocha was happy to make the move and pursue the sport that he loves.

“In Portugal, we don’t have college sports, and it’s very difficult to conciliate both a university and a high level sport. With these situations, coming to the United States was the perfect option for me because here I can do both at a very high level.”

Adjusting to his new life in the United States, Rocha is grateful for the relationships he has made on and off the court this year. 

“We have six freshmen on the team and we try to help each other a lot. We also have a couple of older guys that did a fantastic job helping us every time we needed it. I definitely have to say thank you to all of them and also our coaches for really supporting me and making my adaptation to a new country so much easier.”

Studying business, Rocha is happy that DU provides him with more than just tennis-related opportunities.
“I think Denver is a really nice city,” Rocha said. “Then DU is just an amazing combination of both very well-recognized academics and also very high-level athletics. In the winter, we have the snow (something that never happens in Lisbon) and it’s beautiful in the spring. Having a beautiful campus and the mountains as a background, I just felt that DU would be the right place for me to be, and I was definitely right.”

With three more seasons with the Pioneers ahead of him, Rocha is excited to play the sport he loves and to continue college career in the United States. 

“I grow watching and playing tennis almost every day,” said Rocha. “It’s something that I love to do and I couldn’t imagine my life without it. In tennis, we have the chance to compete from the first to the last point which is something that I really enjoy about the sport.”

http://duclarion.com/tennis-player-rocha-impressing-in-first-collegiate-season/


       ___________________________________________
      Vale Costa Earns Two SEC Postseason Honors
BIRMINGHAM, Ala. – Freshman Joana Vale Costa has been selected as a member of the All-SEC Second Team and the All-SEC Freshman Team as announced Wednesday by the conference office and voted upon by the league coaches. 

This marks the first time an LSU player has received these honors since 2010 when Keri Frankenbergerwas an All-SEC Second Team and an All-SEC Freshman-Team pick. 

Vale Costa accumulated an 11-8 singles record with a 10-7 record at the No. 1 spot.   She reached a season-high ranking of 69, which is the highest an LSU player has been ranked since Whitney Wolff was ranked No. 52 in 2011. 

Vale Costa’s record included three wins over nationally ranked opponents, highlighted by a dominating 6-3, 6-0 victory over Auburn’s No. 29 Pleun Burgmans.  Additionally, Vale Costa topped No. 56 Georgiana Patrasc of Mississippi State 6-4, 6-0 and captured a match-clinching victory over No. 59 Eve Repic of Tennessee to punch LSU’s ticket to the quarterfinals of the SEC Tournament. 

Vale Costa also won seven of her first eight matches, which is the first time an LSU freshman has accomplished such a feat since Kaitlin Burns in 2010.  The freshman also won ten of her matches in straight sets.

LSU awaits the decision of the NCAA for the National Tournament selections.  The Selection Committee will announce its decisions on Tuesday, April 29 at 4:30 p.m. CT.  

http://www.lsusports.net/ViewArticle.dbml?DB_OEM_ID=5200&ATCLID=209476518

    ___________________________________________

Francisco Dias Campeão
A equipa de ténis da George Washington University é campeã da conferência A10 (Atlantic), apurando-se com este resultado, para o Campeonato Nacional da NCAA.

No ultimo jogo, ganhou à equipa da VCU por 4-1.

Francisco Franco Dias jogou como nº 1 fazendo um excelente resultado contra um atleta mais cotado.
Fez 15 ases num encontrou onde esteve infernal, lançando winners de todo o lado, contribuindo assim para a vitória suada contra um fortíssimo adversário.
É a 3ª vez em 4 anos que ganham a conferência. Um resultado impressionante.

#57 George Washington 4, #50 VCU 1
Singles
No. 1 - Francisco Dias (GW) def. #67 Alexis Heugas (VCU) - 6-3, 6-3
No. 2 - Nikita Fomin (GW) def. Alejandro Argente (VCU) - 4-6, 7-6 (4), 6-2
No. 3 - Danil Zelenkov (GW) def. Nick Jones (VCU) - 6-2, 3-6, 6-4
No. 4 - Julius Tverijonas (GW) vs. Jean Baptiste Mateo (VCU) - 6-3, 2-6, 6-6 (DNF)
No. 5 - Viktor Svensson (GW) def. Michal Voscek (VCU) - 6-2, 1-6, 6-4
No. 6 - Ulrik Thomsen (GW) vs. Wilder Pimentel (VCU) - 6-4, 3-6, 4-3 (DNF)

DoublesNo. 1 - #38 Alexis Heugas/Nick Jones (VCU) def. #62 Francisco Dias/Julius Tverijonas (GW) - 8-7 (10)
No. 2 - Nikita Fomin/Danil Zelenkov (GW) def. Wilder Pimentel/Michal Voscek (VCU) - 8-7 (6)
No. 3 - Alejandro Argente/Jean Baptiste Mateo (VCU) def. Viktor Svensson/Ulrik Thomsen (GW) - 8-4
.




         ___________________________________________

Rebel Netters Shut Out SMU 4-0




___________________________________________

The American Adventure | Entrevista com Ricardo Jorge - Parte 1











Clube Ténis Tavira
Aproveitando a presença do nosso atleta Ricardo Jorge “no outro lado do Atlântico” vamos, ao longo da sua estadia nos Estados Unidos da América, procurar ficar a conhecer uma realidade que é, como poderão constatar, muito diferente da portuguesa.
Sem mais demoras, fiquem com o relato inicial desta aventura, sob a forma de entrevista. Nesta primeira parte ficamos a conhecer, entre outras coisas, o porquê da opção pelos Estados Unidos e um pouco da vida universitária americana. A segunda parte da entrevista será publicada posteriormente. É um testemunho que vale a pena não perder…
Clube Ténis Tavira: Ricardo, antes de mais, obrigado por teres acedido de imediato ao nosso pedido para nos falares sobre esta experiência. Nesta primeira pergunta queria que nos apresentasses, em breves palavras, o sítio onde estás e o que estás a fazer.
Ricardo Jorge: O prazer é todo meu! Eu estou a estudar Economia na Universidade de Mississippi, mais conhecida por Ole Miss. A universidade tem cerca de 17.000 alunos e está situada a norte do estado de Mississippi, numa pequena cidade chamada Oxford. Também estou integrado na equipa de ténis da universidade, que é uma das melhores do país. Em 2013 acabou o ano em 10º no ranking nacional e este ano tencionamos lutar pelo título.
CTT: Voltando um pouco atrás no tempo, o que é te levou a procurar uma oportunidade no estrangeiro? O que é que falta em Portugal para que não consideres estudar/treinar no nosso país? E já agora, e no seguimento da pergunta anterior, porquê a opção específica dos Estados Unidos?
RJ: Na verdade, sempre tive em mente estudar numa universidade americana mas, para além de dispendioso, viver no estrangeiro nunca me agradou muito, por isso, sempre deixei essa ideia para segundo plano.
Ao acabar o 12º ano, deparei-me com uma situação muito comum para os jogadores de ténis em Portugal. Apenas tinha duas opções se quisesse ficar em Portugal. A mais provável seria ir para a universidade e consequentemente abandonar a ideia de tentar ser profissional porque é impossível conciliar boas notas com treinos bi-diários. A menos provável seria tentar seguir uma carreira profissional, em que teria de deixar de estudar e investir uma pequena fortuna a viajar pelo mundo fora à conquista de pontos ATP. Na realidade, apenas havia uma hipótese porque onde está essa pequena fortuna?
Como o meu desejo era continuar a jogar, e em Portugal as oportunidades são escassas, decidi que tinha de explorar outros “mundos”. Porquê os Estados Unidos? Os EUA têm um sistema universitário muito direcionado para o desporto, quer seja ténis, futebol ou golfe. Em Ole Miss temos 9 desportos diferentes.
No caso do ténis, o sistema está assente num campeonato em que as universidades jogam entre si num primeiro momento. Depois as 16 equipas que melhores resultados apresentarem avançam para a fase final onde jogarão um torneio que decidirá a universidade campeã. Mas como existem mais de 500 universidades com equipas de ténis, a competitividade é imensa. Ao ver este sistema, em que poderia estudar e continuar a competir, decidi que ir para os EUA seria a melhor opção.
CTT: Explica-nos, resumidamente, o processo até chegares à Universidade que frequentas atualmente.
RJ: Como não tinha muita experiencia no assunto, decidi consultar uma empresa (America International) que faz colocações de atletas nessas universidades. Depois de uma primeira reunião onde me explicaram tudo sobre “college tennis” decidi assinar um contrato com eles para me ajudarem a encontrar a melhor escola para mim. O processo foi muito demorado, praticamente um ano. Tive de realizar vários testes de inglês e de preparar o meu curriculum desportivo e académico para a empresa poder enviar para todas as universidades.
Tive várias boas propostas mas a de Ole Miss foi definitivamente a mais aliciante. Em termos académicos é uma das 100 melhores do país e uma das 10 melhores no ténis. O facto de me terem oferecido uma viagem para poder visitar a escola, conhecer as instalações e a equipa técnica, foi decisivo na minha escolha.
As universidades americanas para além de bolsas académicas, também oferecem bolsas desportivas. Devido aos meus resultados escolares e desportivos serem elevados, tive direito a ambas as bolsas que me possibilitam que não tenha quaisquer encargos financeiros. Estas bolsas não estão disponíveis para toda a gente. É necessário ter uma média académica elevada (não sei ao concreto a nota, varia de escola para escola) e/ou um nível desportivo altíssimo para poder competir nesta “liga”. O número 1 da minha equipa está dentro do top 300 ATP, por isso, o nível é bastante forte.
CTT: Como é feita a articulação entre estudos e treinos? Existe alguma carga horária (ao nível do treino) diária limite?
RJ: Existe uma carga horária limite que são 4 horas por dia, 20 horas por semana. A NCAA (entidade que organiza competições regionais e nacionais entre as universidades do país) limita todos os jogadores a esta regra para que todos estejam em igualdade de circunstâncias e para não haver “baldas” na escola.
O meu horário e o dos meus colegas estão feitos para termos aulas de manhã e treino (técnico e físico) pela tarde. Caso haja algum impedimento de treinar às horas marcadas, quer seja um teste, reunião, consulta, o treinador arranja sempre uma solução e o treino é remarcado para outra hora. Se existir algum conflito entre um treino importante ou torneio com um teste, o treinador comunica com o professor e este remarca o teste com o aluno para outra altura.
CTT: É exigido aos alunos que tenham boas notas para continuarem a usufruir da bolsa? É possível ser um excelente atleta mas não ter resultados escolares?
RJ: Esta é uma das razões pela qual a NCAA limita os treinos a 4 horas diárias: para que os atletas tenham tempo para estudar e manter notas elevadas. No meu caso, preciso de manter uma média acima de 3.0 GPA (cerca de 16 em 20) para manter a bolsa académica. Se não mantiver estes resultados estou em risco de perder a bolsa. Isso não significa que tenha de sair da equipa, apenas tenho de sustentar as minhas despesas escolares. Por exemplo, a equipa de ténis ganha há 9 anos consecutivos a “Chancellor’s Cup”. Esta taça premeia os melhores alunos/atletas da universidade, os que têm melhores resultados académicos e escolares.
___________________________________________________________________________________
Fim da Parte 1 da Entrevista
Alguns excertos da segunda parte da entrevista, que será publicada brevemente:
«A este nível, todos apresentam níveis técnicos e físicos muito bons e não podem ter qualquer falha nesses aspetos.»
«A universidade tem um campo de futebol americano que possui cerca de 70.000 lugares (do tamanho do Estádio da Luz) que enche sempre que a equipa lá joga.»
«O importante não é quem treina mais horas mas sim quem melhor aproveita essas horas.»
_____________________________________________
Postar um comentário